30/11/2011

Pergunta :Lei 53 / 2010


Publicamos de seguida e na integra a mais recente pergunta sobre a Lei do Naturismo (Lei 53 / 2010), efectuada pelo Partido "Os Verdes":

Ex. ma  Sr.ª Presidente da Assembleia da República No passado dia 14 de Outubro, dirigi uma pergunta à Secretaria de Estado da Administração
Local e Reforma Administrativa, relativamente à regulamentação da Lei do naturismo.
Na resposta, datada de 17 de Novembro, vem essa Secretaria de Estado, dizer que:

Considerando a actual situação do País, em que é prioritária e urgente a criação e implementação de medidas de correcção e contenção do défice e da despesa pública, até ao momento não foram ainda desencadeadas diligências para a regulamentação do diploma em causa”.

Sem pretender formular qualquer juízo de valor sobre a importância que o Governo pretende atribuir ao Turismo Naturista, cuja procura continua a crescer de forma significativa, sobretudo na Europa, sempre se dirá que a regulamentação da Lei 53/2010, de 20 de Dezembro, poderia representar um contributo para ajudar a resolver o problema que o Governo evoca para justificar o facto de não ter desenvolvido qualquer diligência para a regulamentação da Lei.

Acresce ainda que não deixa de ser curioso que o Governo não regulamente a Lei por causa do défice. Afinal, quando falamos da criação de um modelo uniforme de sinalização de espaço de naturismo e quando falamos em ouvir os respectivos municípios e as associações representativas dos naturistas, estaremos a falar de milhões de euros?

Assim, solicito, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, a S. Ex.ª A Presidente da Assembleia da República que remeta ao Governo a seguinte Pergunta, para que Secretaria de Estado da Administração Local e Reforma Administrativa possa prestar o seguinte esclarecimento:

1 – Quantos euros estima o Governo necessários para a regulamentação da Lei 53/2010?

Palácio de São Bento,  terça-feira, 22 de Novembro de 2011
Deputado(a)s
JOSÉ LUÍS FERREIRA(PEV)
Deputado(a)s
HELOÍSA APOLÓNIA(PEV)
____________________________________________________
Nos termos do Despacho nº 2/XII, de 1 de Julho de 2011, da Presidente da Assembleia da República, publicado no DAR, II S-E, nº 2, de 6 de Julho de 2011, a competência para dar seguimento aos requerimentos e perguntas dos Deputados, ao abrigo do artigo 4.º do RAR, está delegada nos Vice-Presidentes da
Assembleia da República.
______________________________________________

NUwsletter Nº 28




2011 Nov 30                                                                                        
________________________________________________________________________________

1 – Momento CNC:

No passado dia 19 de Novembro decorreram as comemorações do 13º do Clube Naturista do Centro com a presença de mais de 30 Associados e Amigos na sede da Federação Portuguesa de Naturismo.

No mesmo dia decorreu mais um evento de piscina com a participação de meia centena de Naturistas que esgotaram a capacidade da Piscina do Alvito

De destacar a forte participação na Aula de Hidro ginástica motivando a Direcção a assegurar a sua continuidade em 2012.

No blog começamos a publicar artigos de opinião , primeira vez e memórias , anteriormente publicados em edições antigas de "O Natural", procurando divulgar e fomentar o Naturismo Associativo.

Aproveitamos esta iniciativa para convidar os nossos Associados e leitores para contribuírem com os vossos artigos para ambas as publicações.

2 – Piscina Naturista:

Dia 17 de Dezembro pelas 18H30 no local habitual realiza-se a ultima sessão de 2012. Para finalizar o ano esta sessão tem preços especiais que podem consultar no nosso Blog.

Apelamos à vossa presença para mais um momento de grande participação, dinamização e confraternização   da família Naturista. 

3– Lei do Naturismo 53/2010:

Ex. ma Sr.ª Presidente da Assembleia da República No passado dia 14 de Outubro, dirigi uma pergunta à Secretaria de Estado da Administração

Local e Reforma Administrativa, relativamente à regulamentação da Lei do naturismo.
Na resposta, datada de 17 de Novembro, vem essa Secretaria de Estado, dizer que:
...
1 – Quantos euros estima o Governo necessários para a regulamentação da Lei 53/2010?
...
Texto completo aqui.









4 – Espaço FPN:

Decorrem nos 3 primeiros sábados de cada mês Aulas de Yoga naturista na sede da SPN, acede à informação aqui.

Adere ao Naturismo Associativo e aproveita esta e outras vantagens.

________________________________________________________________________________

ESPAÇOS ASSOCIADOS








__________________________________________________________

PROTOCOLOS CNC




JFernandes Oculista
Cartões MaxFinanceCosefi -Sociedade de Mediação de Seguros Lda
__________________________________________________________

PROTOCOLOS FPN

Yoga
Essendi
Teatro Tivoli
Quinta dos Carriços
Naturest
Monte Naturista o Barão
Quinta da Vista
Vale Milhanos
Engrácias e Silva Seguros
__


______________________________________________

29/11/2011

Opinião...1



O carácter essencial do Naturismo no seio da sociedade e do seu futuro

Muito se tem falado e escrito no Movimento Naturista Internacional sobre o acesso aos espaços naturistas associativos e/ou comerciais por parte de pessoas individuais atendendo à manutenção da característica familiar do movimento  e da preservação e ampliação da sua credibilidade junto da opinião pública.

Esta matéria tem sido alvo de alguma polémica e tem constituído em várias revistas da especialidade um pólo privilegiado de discussão.

Pessoalmente entendo que o naturismo tem e deverá manter na sua essência uma base familiar. O sentido naturista e a sua forma de estar começa necessariamente no seio da família, primordial e primeiro núcleo colectivo da nossa vivência em sociedade, parecendo desprovido de sentido viver “textilizado” na sua casa e assumir apenas a nudez na praia.

Esta questão tem motivado reflecções diversas e diferentes abordagens, preocupando as entidades responsáveis pelo movimento naturista associativo na Europa que vem limitando o acesso de pessoas individuais sobretudo nos espaços naturistas mais alargados e com carácter de lazer, tendo em vista a preservação desses espaços da possível intromissão de exibicionistas, voyeurosexistas e até pedófilos.

Este controlo deve ser entendido positivamente para segurança dos utilizadores e estabilidade desses espaços.

Naturalmente que haverá sempre lugar para pessoas individuais livres de compromissos familiares ou não.

Os clubes – pela sua dimensão, pela (em princípio) proximidade residencial dos membros que os integram – poderão constituir um “filtro” à passagem de cartas naturistas a pessoas cujos hábitos e carácter possam colidir com os princípios que norteiam o movimento.

A Europa atravessa um conturbado período traumatizante pelos casos de pedofilia vindos a público, numa sociedade cada vez mais varrida de valores humanos, mantendo e multiplicando até, toda uma panóplia de exploração da imagem do nu corporal para todos os fins menos o da sua dignificação e perpetuando, por outro lado, uma cultura redutora e castradora do corpo humano. Estas são duas faces aparentemente contraditórias de uma mesma moeda.

O Movimento Naturista, pela sua filosofia, pelo seu carácter, pela sua prática, pode e deve ser um bastião de um novo humanismo, juntando aos seus valores inerentes e tradicionais o sentido da preservação global da Natureza, assumida também na dignidade do Homem e da Mulher nus, tal como foram criados, e da sua sã sexualidade.

Só assim, em meu entender, se eliminarão os desequilíbrios internos no Homem, reconduzindo-o também no plano externo à sua reconciliação com a Natureza, única forma de lhe proporcionar o bem-estar, um desenvolvimento sustentado e a qualidade de vida que lhe permita viver com felicidade e harmonia.

Esse caminho, essa educação, começa em cada um de nós e social e colectivamente, no núcleo fundamental que é a família. “Casa de pais – escola de filhos”, é um velho ditado polular que também entre naturistas faz especial sentido.

Manter e alargar o carácter familiar do naturismo é, por isso, mais do que um objectivo, é um imperativo para todos os naturistas empenhados.


Originalmente publicado no “O Natural” Nº 3 no Outono de 1999


Com esta publicação dá-mos inicio à publicação no blog de alguns artigos de opinião publicados ao longo dos anos pelo Clube Naturista do Centro, na sua publicação "O Natural".

Se desejares contribuir com a tua opinião ou comentário podes fazê-lo para o email do Clube:


ou deixar aqui o teu comentário
______________________________________________

24/11/2011

Primeira vez...2

Foto cedida pelo Sócio

A Minha (nossa) Primeira vez...

Ao logo da vida sempre gostei de estar sem roupa e de estar nu na praia, mas os amigos e a  família nunca foram adeptos da pratica naturista.

Em 2007 e após uma "remodelação" familiar começamos a pesquisar na Internet sobre Naturismo e recolhemos informação sobre o Associativismo naturista, após uma breve troca de email com a direcção do CNC fomos ao encontro do "desconhecido" mundo da pratica associativa e participamos num encontro na praia da Adiça.

Fomos bem recebidos e integrados pelos presentes e em especial pela Direcção presente, durante o dia podemos desfrutar de um convívio sol num dia de praia fabuloso.

Já tínhamos experimentado algumas vezes o bem estar da integração do corpo com a natureza, da harmonia que se desfruta ao sentir os elementos na nossa pele.

Nesse dia a nossa experiência foi muito além, a todo o bem estar acima descrito juntou-se a socialização do NU, o dialogo, a tertúlia, a foto da praxe e o companheirismo.

Poucos dias depois já estávamos inscritos no Clube e desde essa data temos participado de forma regular nas actividades indoor e outdoor do Clube Naturista do Centro.

Por opção temos participado activamente na vida associativa tendo estado presente em quase todas as Assembleias Gerais, na discussão de propostas e nos seus Corpos Sociais.

É  uma forma diferente de viver o Naturismo mas é uma opção consciente mesmo sabendo que por vezes abdicamos de algum tempo para estar em (e com a) família e com alguns amigos, mas acabamos por encontrar o equilíbrio entre a vida naturista e a convivência têxtil de forma a estabelecer uma ponte entre estas duas formas de estar na vida.

E tu porque esperas ? deixa-nos a tua primeira vez...

Haammm... ainda não és Naturista.... óptimo estás ainda a tempo da tua primeira vez vez e de nos contares como foi...

Atreve-te ...vive a vida com mais comunhão com a natureza e contigo próprio.
______________________________________________



22/11/2011

Primeira vez...1


Ibiza - Calla Compte

A minha 1ª vez...


Pois…pois é! Também a mim! Também a mim me apetecia lá estar... mas não pode ser. Tem de ficar para outra altura. Até porque posso dizer-vos que a fotografia não está favorecida. É muito melhor do que parece! Mas foi o melhor que se arranjou do meu album de fotos do meu primeiro ano naturista.
Só num sitio assim como Calla Compte, em Ibiza, é que me poderia apetecer fazer algo do género como tirar a roupa e deixar-me estar pura e simplesmente ao sol deitada na areia a sentir cada partezinha do meu corpo (que até tem bastante superficie!), da minha pele, na areia quente.
Porque é que eu digo que só num sitio assim????? Acham que uma mulher  de vinte e tal anos educada no seio de uma típica familia portuguesa, de cultura tradicional, se separaria do seu fato-de-banho em qualquer sitio, com qualquer companhia? NEM PENSAR!!!!! Que horror, que sem vergonha! Que diriam as outras pessoas quando soubessem? E os amigos, os familiares? 

Que criticas me fariam?

Mas...Ibiza, ambiente informal, sem horas nem regras, ninguém me conhece, as únicas pessoas que estão comigo são: o meu marido e as minhas duas melhores amigas (incapazes de me recriminar neste tipo de coisas). O meu marido assim que chega à praia despe-se! Aliás, já tinha avisado que o iria fazer! Das outras duas, uma faz desde sempre topless e daí ao nudismo é um passo muito pequeno e dado sem qualquer problema. A outra segue uma linha muito parecida com a minha: uma educação tradicional em que os seios e a púbis não são para mostrar senão à mãe, ao marido e ao ginecologista! 

Que fazer? Nada! O primeiro dia passado na praia de Calla Compte foi de fato-de-banho a ver passar gente com um ar super saudavel, uns vestidos outros despidos uma vez que esta praia é mista, mas observando principalmente aqueles que têm alguma coisa diferente de mim (os despidos) e vendo que realmente todos os pre-conceitos caem quando se tira a roupa.

Depois de uma boa farra na noite ibissenca, de uma chegada tardia á praia no dia seguinte e de termos perdido uma das participantes nesta nossa gita (a mais tradicionalista optou por ficar no hotel), e chegados à praia decidi baixar o fato-de-banho até à cintura fazendo assim uma opção pelo top-less.

Após os primeiros minutos de choque térmico num peito que nunca tinha sentido os raios de sol baterem directamente na pele, a sensação foi fantástica. Indescritivel. Não há forma de dizer ou escrever aquilo que se sente. Mas é bom, muito bom!

Mas imaginem a figura: fato-de-banho visivelmente enrolado em forma de chouriço em volta da cintura que já de si não é muito fina...é claro que muitas das “estranjas” na praia, as despidas e as vestidas, olhavam de soslaio para verem se conseguiam entender como é que alguém poderia andar assim tão desconfortável na praia. Efectivamente tinham razão! Era muito desconfortável. Mas assim fiquei, a guardar os meus “tesouros” até ao fim do dia...ou quase.

Fim de tarde, um pôr-de-sol fantástico mesmo em frente á praia e sobre o mar, os poucos corpos que estão na areia estão em estado de semi-sonolência e por isso quase em silencio, o mar calmo e quente.
Não dá mais para aguentar! Dispo de uma só vez o adereço que me tem acompanhado na praia e na piscina desde os meus  5 ou 6 anos de idade e calmamente entro na água limpa e azul do mediterrâneo que me recebe nua e me completa.

Podem achar que a imagem é demasiado poética mas foi realmente o que senti durante os outros 5 dias que restaram da semana em que fazia questão de tentar sentir sempre o mesmo tipo de sensações de partilha com os outros, com a natureza, com o mundo.

O nosso retorno a casa é que foi mais estranho. Eu e o meu marido tinhamos alguma dificuldade em sequer pensar em voltar às praias que habitualmente frequentávamos A. I. (antes de Ibiza) só de pensar no fato-de-banho e no calção.

Começámos assim uma busca incessante a praias naturistas, sites informativos, tudo e mais alguma coisa. Um belo dia encontrámos informações sobre a inauguração do horário naturista da Piscina da Penha de França e nem dava para acreditar! Um sitio onde, mesmo de Inverno, poderiamos continuar a sentir a vontade e o regozijo da partilha.

Fomos! Mesmo sem conhecer ninguém! Arriscámos! Adorámos! Ficámos! E cá andamos! Somos naturistas por convicção (ou pelo menos achamos que somos) e tentamos partilhar esta nossa forma de estar na vida com todos os que nos rodeiam e de quem gostamos.

Mesmo quando parece que as pessoas não compreendem ou recriminam. Lembram-se da familia tradicionalista que me educou? Pois...só a minha mãe é que sabe e fala comigo sobre isso. O meu pai, nem pensar que alguma vez discutiria a minha nudez em público, não porque a entenda, mas sim porque  a recrimina completamente. Mas há coisas que temos de saber respeitar...ele a minha opção e eu o silencio dele.

Nota da Redação:
Iniciamos neste número de “O NATURAL” uma nova rubrica dedicada aos testemunhos dos nossos associados, relacionados com a “história” que envolveu cada uma das experiências que, certamente diferentes, cada um de nós acabou por viver na altura em que decidiu dar o “passo em frente” no derrube dos tabús, dos complexos, e no caminho da liberdade e igualdade tão bem traduzida na nudez do corpo humano.
Desafiamos, assim, os sócios a enviarem-nos os  testemunhos, sem inibições nem complexos, assumindo a nossa filosofia e estilo de vida.

Artigo publicado originalmente na Revista do CNC:
"O Natural" Nº 17 na Primavera de 2003

E tu como foi a 1ª Vez ?

Partilha connosco e envia-nos a tua 1ª Vez para o seguinte email:
cncentro@gmail.com
______________________________________________


20/11/2011

13º Aniversário

1988 - 2011

13º Aniversario

O Clube Naturista do Centro (CNC) comemora hoje o seu 13 º Aniversário.

Desde 1988 a divulgar e trabalhar pelo Naturismo Associativo em Portugal o CNC encontra-se inscrito na Federação Portuguesa de Naturismo.

Ao longo da sua vida o Clube levou à pratica dezenas de actividades indoor e outdoor, promovendo desta forma a pratica do Naturismo, contribuindo desta forma para a divulgação e aceitação de uma forma de vida saudável e integrada com a Natureza.


De forma conjugar a conjugar esta iniciativa com a sessão de piscina Naturista, decorreu ontem a comemoração do 13º Aniversário do Clube Naturista do Centro com um Porto de Honra na sede da FPN.

Após o tradicional cantar dos parabéns, as velas foram apagadas pelo Companheiro mais antigo presente no evento.


A Direcção agradece aos Companheiros, Amigos e familiares presentes pela boa disposição reinante.

Ao Pedro Dias um especial Bem Haja pelo divinal bolo de Aniversário.

Ao final da tarde seguiu-se uma sessão de Piscina com aula de Hidro ginástica onde estiveram presentes meia centena de Naturistas.



Bolo da autoria do Cake Designer: Pedro Dias

podem seguir o seu trabalho no facebook.
______________________________________________



15/11/2011

Memórias 3 - 2003



Pintura corporal no encontro de Primavera em Abril de 2003.

em breve teremos mais fotos deste e de outros encontros no site do Clube.

Envia-nos as tuas fotos para que possamos ilustrar a história do CNC no nosso site.

______________________________________________

NUwsletter Nº 27



2011 Nov 14                                                                                         
________________________________________________________________________________


1 – Programa do 13º Aniversário do CNC:

Dia 19
15:30 – Abertura da sede;
16:30 – Porto de Honra e abertura do bolo de Aniversário;
17:00 – Homenagem aos Sócios com 10 anos;
18:30 – Sessão de Piscina

Solicitamos a confirmação da vossa presença para o email do Clube até dia 15 de Novembro, para possibilitar a organização logística.

Relembramos a oportunidade de em família poderem participar na piscina para aqueles que tem familiares não naturistas.
O número de participações é limitado e carece de inscrição prévia até dia 15.

Informa-te sobre as condições de acesso no site do Clube.

2 – Blog do Clube:

O Blog foi actualizado com novas páginas e com o inicio de artigos já publicados no boletim “O Natural”:
Memórias – Acontecimentos revelantes na vida do Clube;
Opinião – Artigos de opinião;
Relatos – Experiências naturistas vivenciadas pelos nossos Associados.5:30 – Abertura

3– Site do Clube:

A Galeria foi enriquecida com o espaço memórias onde iremos colocar as fotos até 2010.
Contribui para a memória colectiva com as tuas fotos e ajuda a melhorar o acervo do Clube.








4 – Espaço FPN:

Espaço Naturista em Espanha certificado pela INF e FEN.
Os Sócios da FPN com quota válida beneficiam de 10% de desconto.
Informa-te junto da Federação.
Informação completa no Blogue.


Adere ao Naturismo Associativo e aproveita esta e outras vantagens.

________________________________________________________________________________

ESPAÇOS ASSOCIADOS








__________________________________________________________

PROTOCOLOS CNC




JFernandes Oculista
Cartões MaxFinanceCosefi -Sociedade de Mediação de Seguros Lda
__________________________________________________________

PROTOCOLOS FPN

Yoga
Essendi
Teatro Tivoli
Quinta dos Carriços
Naturest
Monte Naturista o Barão
Quinta da Vista
Vale Milhanos
Engrácias e Silva Seguros
__


_______________________________________________________________________________


______________________________________________

13/11/2011

Memórias 2 - 1999

Programa das comemorações do  Dia Mundial do Naturismo em 1999.

Publicado na primeira edição de "O Natural" na Primavera de 1999.

Publicação disponível para Associados no site do clube.


Se estiveste presente neste evento deixa o teu comentário sobre a actividade, com o relato da tua experiência.

Caso tenhas fotos envia para o email do Clube e contribuí para ampliar o nosso acervo.
As fotos serão publicadas no nosso site (área reservada a Associados) para memoria futura.

Ajuda a preservar a história do Clube apoiando a divulgação do Naturismo.

Bem Haja

Saudações Naturista 
______________________________________________


Memórias 1 -1999

Em semana de Aniversário fomos ao baú das recordações, aproveitando para divulgar um pouco da história do Clube e prestar uma publica homenagem ao contributo dado pelos nossos Associados e Amigos desde a fundação do Clube.



Texto publicado na primeira edição de "O Natural" na Primavera de 1999.

Publicação disponível para Associados no site do clube.
______________________________________________

10/11/2011

Afinal de contas, o que é o Naturismo

A definição oficial dada pela INF – Federação Internacional de Naturismo em Agde no ano de 1974 é: “Naturism (Nudism) is way of life in harmony with nature....” Observamos que a INF coloca “Naturismo e Nudismo” no mesmo plano, sem diferença alguma. Mas isso também já foi colocado por Paulo Pereira em seu livro “Corpos Nus” e em diversos textos dele onde explica com detalhes sobre essas diferentes palavras, mas com o mesmo significado. Inclusive o último foi agora em Outubro/2011, na entrevista concedida ao portal Jornal Olho Nu.

Observo que algumas pessoas ficam discutindo o assunto “Naturismo x Nudismo” e cria um problema e uma discussão sem fim. É preciso entender que o conceito já foi dado e nós filiados a INF devemos seguir a mesma linha de entendimento. Se mesmo assim houver algum modo de pensar diferente, devemos colocar para análise no Congresso Internacional. Se houver alguma mudança no conceito não haverá problema algum.

As palavras têm um lado conceitual, que poderão ser encontradas em qualquer dicionário, mas também possuem as suas implicações. Por exemplo, pensem um pouco sobre a palavra “amor” ou “liberdade”. As implicações na sua perfeita meditação serão até contraditórias. E o que dizer da palavra “Naturismo”?

A prática do Naturismo consciente, indubitavelmente nos fará reflectir sobre o corpo humano dentro de um contexto natural e inserido na natureza de todas as coisas. Por isso se torna um agente transformador como disse Michel Caillaud em 1996 na sua conferência: “O Naturismo, rejeitando um tabu e os preconceitos, abre espaço para que as coisas sejam vistas sob uma nova ótica, permitindo que se manifeste um quadro de valores diferente daquele tradicionalmente inculcado” (1).

Parece que o perigo de andar descalço sobre cacos de vidros é fichinha em comparação com um naturista consciente. Essa pessoa começa a questionar todas as estruturas sociais, políticas, religiosas e educacionais. Sabe quando teremos uma lei que regulamente o Naturismo? Nunca. Porque são conflituantes na sua essência. No máximo haverá uma autorização para a sua prática em uma área específica e assim mesmo com muita insistência. A flor se abre e exala seu perfume sem nenhuma necessidade de permissão de ninguém, a natureza flui sem permissão, “SEM PEDIR JULGAMENTO”, que é o título do próximo livro de Paulo Pereira.

Tal como uma luz branca quando passa por um prisma e irradia as mais diversas cores, assim a mente humana cria todos os tipos de divisões. O que a Filosofia Naturista na realidade tenta fazer é eliminar, senão todas, pelo menos em parte esse separatismo. Venham não importa sua crença, sua raça, sua nacionalidade. Vejam que até a noção de pátria se perde quando se pensa pela ordem natural, deixa assim de existir qualquer tipo de raça pura. Não há necessidade de conflitos quando se tem a consciência de que tudo é interdependente. A luz branca representa o “TODO”.

Então, afinal de contas o que é Naturismo? Pode ser considerado um grande processo de meditação, pode ser também considerado uma grande religiosidade quando pensamos em todos sem divisão estamos nos religando ao que é Divino, pode ser até mesmo uma grande terapia (assim nasceu na Alemanha), pode ser pura diversão em que alegra nosso espírito e proporciona um pouco de tranquilidade ao corpo não ficando tão obsessivo.

Do simples conceito de que o “Naturismo é o nudismo social moderno” (2) surge as mais profundas implicações do homem na busca de si mesmo, na busca de encontrar a paz. Como diz Mercedes Sosa em sua música “Solo Le Pido a Dios”, que eu não seja indiferente a todas as agressões, que eu seja um instrumento que possa conduzir as pessoas a reflectirem sobre essas questões através dos textos que tenho
escrito.

(1) Naturismo, um estilo de vida – Extrato da conferência proferida por Michel Caillaud, Presidente da Federation Française de Naturisme – traduzido por Edson Medeiros, publicado na revista In “Naturis” nº 07 em 1996.

(2) Entrevista de Paulo Pereira ao portal do Jornal Olho Nu – Outubro/2011

Autor: Evandro Telles

Publicado em:  01/11/11

www.evandrotelles@blogspot.com


Original publicado em:

reproduzido com autorização do autor.

Actualizado em 2013/11/10
______________________________________________